quarta-feira, 16 de abril de 2014

renascer das cinzas

Queria ter uma borracha bem gigante, maior que meu coração e apagar tudo que se foi e que volta sempre rabiscando meu peito.
Queria muito, mais que o mundo, não ser de borracha e esfarelar com tanto rabisco em mim.
Queria apagar as pessoas do mundo e deixar tudo em paz, como quando criança sorri com os olhos. Queria ter olhos de criança e sorrir, não tenho esses olhos de hoje, não me encontro neles, cinzentos e tão secos.
Preciso de mais líquido pra umidificar o ar que me levanta e me faz cair, seca, dura, esfarelada no chão.
Porque as mágoas sempre voltam em mim como cachoeira congelada?
Porque aquele que já se foi quer me castigar?
Porque sempre tem alguma coisa pulsando querendo tomar o meu lugar?
Eu quero ir.
Cansei de ficar atrás.